Combate à Covid-19: São Gonçalo do Amarante desinfeta 13 de cada 100 residências e quase 3 mil ruas

A Prefeitura de São Gonçalo do Amarante apostou não apenas nas barreiras sanitárias e no reforço de sua estrutura de saúde para conter a expansão da pandemia da Covid-19. Outro trunfo utilizado pelo poder público foi a desinfecção de ambientes como imóveis, escolas, áreas abertas etc.

Para se ter uma ideia, de cada 100 casas gonçalenses, nada menos que 13 passaram por desinfecção sanitária individualizada. Desde o início da pandemia até o dia 13 de julho de 2020, 2.514, das 19.076 residências do município foram desinfetadas, segundo a Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb). Foram, ainda, 72.757 fachadas diversas contempladas pela ação.

As equipes de desinfecção são compostas por oito profissionais e um caminhão-pipa abastecido com uma solução de hipoclorito de sódio dissolvida em água. Além de motorista, cada uma das quatro equipes que já circularam por 2.762 ruas do município contava com três profissionais para operar e manusear as mangueiras, outros dois para esfregar calçadas e mais dois com bombas costais, semelhantes a mochilas, para desinfetar áreas internas de residências, tais como paredes, alpendres, varandas, muros, jardins e quintais. 

De acordo com o titular da Semurb de São Gonçalo do Amarante, Vicente Moreira, “o nosso processo de desinfecção tem um alto poder bactericida e, principalmente, de eliminação do vírus. Ou seja, é realmente uma sistemática muito boa de limpeza e desinfecção de grandes áreas”. Ele acrescenta, contudo, que para ter eficácia as ações de desinfecção em uma mesma área precisam ser realizadas com certo intervalo de tempo entre si. “Segundo orientações da própria Anvisa, não se deve prolongar muito essas ações de desinfecção porque a principal característica de um vírus é esse aspecto mutável. Ele pode se tornar resistente a esses tratamentos de desinfecção”, explica.

Top